Loading...
Larger font
Smaller font
Copy
Print
Contents
  • Results
  • Related
  • Featured
No results found for: "undefined".
  • Weighted Relevancy
  • Content Sequence
  • Relevancy
  • Earliest First
  • Latest First
    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents

    Capítulo 3 — As características da música

    “A música deve possuir beleza, poder e ternura para comover. Ergam-se as vozes em cânticos de louvor e adoração. Que haja acompanhamento, se possível, de instrumentos musicais, e a gloriosa harmonia suba a Deus como uma oferta aceitável.” — Evangelismo, 505.MI 23.1

    Tons claros e suaves, sem estridência

    Não há palavras para descrever adequadamente as profundas bênçãos do louvor genuíno. Quando os seres humanos cantam com o espírito e o entendimento, os músicos celestiais entram na harmonia e se unem ao cântico de ação de graças. Aquele que nos concedeu todos os dons, que nos habilitam a ser coobreiros de Deus, espera que Seus servos cultivem a voz, de modo que possam falar e cantar de maneira compreensível a todos. Não é o cantar forte que é necessário, mas a entonação clara, a pronúncia correta e a expressão vocal distinta. Que todos dediquem tempo para cultivar a voz, de maneira que o louvor a Deus seja entoado em tons claros e suaves, sem estridências que ofendam o ouvido. A habilidade de cantar é um dom de Deus; seja ela usada para Sua glória. — Testemunhos para a Igreja 9:143, 144.MI 24.1

    Beleza, poder e ternura para comover

    A música pode ser um grande poder para o bem; contudo não tiramos o máximo proveito dessa parte do culto. O cântico é geralmente orientado pelo impulso ou para atender casos especiais, e em outras vezes os que cantam o fazem mal, e a música perde o devido efeito sobre a mente das pessoas. A música deve possuir beleza, poder e ternura para comover. Ergam-se as vozes em cânticos de louvor e adoração. Que haja acompanhamento, se possível, de instrumentos musicais, e a gloriosa harmonia suba a Deus como uma oferta aceitável.MI 24.2

    Mas às vezes é mais difícil disciplinar os cantores e fazê-los atuar de forma adequada, do que desenvolver hábitos de oração e exortação. Muitos querem fazer as coisas à sua maneira. Não concordam com as regras, e ficam impacientes sob a liderança de alguém. No serviço de Deus tem de haver planos bem amadurecidos. O bom senso é coisa excelente no culto do Senhor. — Evangelismo, 505.MI 25.1

    Poder para testemunhar

    Há muita emoção e música na voz humana, e se o aluno fizer decididos esforços, adquirirá hábitos de falar e cantar que lhe serão uma força no ganhar pessoas para Cristo. — Evangelismo, 504.MI 25.2

    Volume moderado e tonalidade natural

    Pode-se fazer grande aperfeiçoamento no cantar. Pensam alguns que, quanto mais alto cantarem, tanto mais música fazem; barulho, porém não é música. O bom canto é como a música dos pássaros — suave e melodioso.MI 25.3

    Tenho ouvido em algumas de nossas igrejas solos completamente inadequados ao culto na casa do Senhor. As notas prolongadas e os floreios, comuns nas óperas, não agradam aos anjos. Eles se deleitam em ouvir os simples cânticos de louvor entoados em tom natural. Unem-se a nós nos cânticos em que cada palavra é pronunciada claramente, em tom harmonioso. Eles combinam o coro, entoado de coração, com o espírito e o entendimento. — Evangelismo, 510.MI 26.1

    Solenidade e reverência

    A melodia do canto, derramando-se do coração num tom de voz claro e distinto, representa um dos instrumentos divinos para a salvação das pessoas. Todo o culto deve ser efetuado com solenidade e reverência, como que na visível presença do próprio Deus. — Testemunhos Seletos 2:195.MI 26.2

    Melodia e clareza

    Alegro-me que a música tenha sido trazida para a escola de Healdsburg. Em cada escola a instrução no canto é grandemente necessária. — The Review and Herald, 27 de Agosto de 1903. Deveria haver mais interesse na cultura da voz do que é agora em geral manifestado. Os alunos que têm aprendido a cantar os suaves hinos do evangelho com melodia e clareza podem atuar muito bem como cantores evangelistas. Eles encontrarão muitas oportunidades de empregar o talento que Deus lhes deu, levando melodia e luz a muitos lugares solitários e entenebrecidos pelo pecado, dor e aflição, cantando para aqueles que raramente têm os privilégios da igreja. — Evangelismo, 504.MI 26.3

    Alunos, vão aos caminhos e valados. Empenhem-se por alcançar tanto as classes mais ricas como as mais pobres. Entrem nos lares de ricos e humildes e assim que tiverem oportunidade, perguntem: “Poderíamos cantar para o seu deleite? Ficaríamos alegres se pudéssemos ter um momento de canto.” Desse modo, à medida que os corações se suavizam, o caminho pode-se abrir para que possam oferecer algumas palavras de prece pela bênção de Deus. Poucos recusarão. — Evangelismo, 502.MI 27.1

    Tal ministério é um genuíno trabalho missionário. (Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, p. 548.) Deus deseja que cada um de nós se converta e aprenda a se engajar em esforços missionários de modo diligente. Ele nos abençoará neste serviço pelos outros e veremos Sua salvação. — The Review and Herald, 27 de Agosto de 1903.MI 27.2

    Como um dom de Deus

    A voz humana no canto é um dos talentos dados por Deus para ser empregados para Sua glória. O inimigo da justiça utiliza com muita habilidade esse talento em seu favor. E aquilo que é um dom de Deus, para ser uma bênção às pessoas, é pervertido, mal aplicado, e serve aos objetivos de Satanás. Esse talento da voz é uma bênção, desde que seja consagrado ao Senhor para servir a Sua causa. — Evangelismo, 498.MI 28.1

    Deve ser bem utilizada no louvor congregacional

    Escolha-se um grupo de pessoas para tomar parte no serviço de canto. E seja este acompanhado por instrumentos de música habilmente tocados. Não nos devemos opor ao uso de instrumentos musicais em nossa obra. Essa parte da adoração deve ser cuidadosamente dirigida, pois é o louvor através do cântico. Nem sempre o canto deve ser feito apenas por alguns. Permita-se o quanto possível que toda a congregação dele participe. — Testimonies for the Church 9:144.MI 28.2

    Momentos de louvor

    Os cânticos não devem ser apresentados por uns poucos. Todas as pessoas presentes devem ser animadas a participar cantando os hinos. — Carta 157, 1902.MI 28.3

    Envolve o uso de instrumentos musicais

    Seja o talento do canto introduzido na obra. O emprego de instrumentos de música não é absolutamente objetável. Eles eram usados nos cultos dos tempos antigos. Os adoradores louvavam a Deus com a harpa e o címbalo, e a música deve ter seu lugar em nossos cultos. Isso faz aumentar o interesse. — Evangelismo, 500, 501.MI 29.1

    Louva a Deus

    Alegro-me de ouvir aqui os instrumentos de música. Deus quer que os tenhamos. Quer que O louvemos, de alma e coração e com a nossa voz, engrandecendo Seu nome perante o mundo. — Evangelismo, 503, 504.MI 29.2

    Larger font
    Smaller font
    Copy
    Print
    Contents